quinta-feira, abril 17, 2008

Treinador de bancada

UMA CHAMA QUE SE APAGA,
OUTRA QUE SE ACENDE

Pois é, a chama olímpica que percorre os vários países até aportar a Pequim, sede dos Jogos Olímpicos de 2008, vai-se apagando de vez em quando, por pressão do povo tibetano. Como aconteceu em França, país ainda símbolo da democracia moderna e da multiculturalidade, cujo governo prevê o boicote às olimpíadas. Ora, esta situação não é nova, e convém lembrar que nos Jogos Olímpicos de 1976, 1980 e 1984 se produziram boicotes nos jogos de Montreal, Moscovo e Los Angeles. Portanto, são ridículas muitas afirmações de espanto e indignação, perante a indignação do povo tibetano e de muitos milhares de pessoas por esse mundo fora.

O mediatismo dos jogos e, sobretudo, a sua conotação com a paz e os direitos humanos no mundo, são uma oportunidade única para a afirmação do protesto tibetano pela independência do país. Convém lembrar que a invasão do Tibete se processou em 1950, um ano após a revolução chinesa, e que já produziu nada mais nada menos do que 90.000 mortos só em Lhasa (capital do país) em 1959, proibição de visitas a estrangeiros, leis marciais no país, e exílio do governo e das organizações democráticas tibetanas. Mesmo agora, com a aproximação dos Jogos, o governo chinês proíbe as visitas de jornalistas estrangeiros ao Tibete e encerra o acesso aos picos mais altos do Everest, pela sua fronteira, obrigando o Nepal a fazer o mesmo na sua entrada de acesso à montanha mais alta.

É claro que os protestos do povo tibetano – quer sejam pela independência (como propugna o Congresso da Juventude Tibetana) quer seja pela via da autonomia da língua e da cultura tibetana (como defende o Dalai Lama) – não se fundamentam apenas na invasão e ocupação do seu território. A China é acusada de violar muitas vertentes dos direitos humanos no seu país e é evidente que toda a gente se lembra do massacre dos tanques na praça de Tian Han Men, em Pequim. E é por estas razões, que milhares de tibetanos no mundo são acompanhados por muitos milhares, de outros povos.

Mas a China é também o grande suporte económico do Ocidente, através da sua economia de exploração de recursos e de mão-de-obra barata. E conta com o apoio dos Estados Unidos que, recentemente, a retiraram da lista de países dos piores violadores de direitos humanos, no mundo. E também não foi por acaso que a China ganhou, em 2001, a disputa, contra o Canadá, para a organização dos Jogos deste ano.

A decisão do Comité Olímpico Internacional também tem adeptos em Portugal. As declarações de Vicente Moura, presidente do Comité Olímpico Português, vão no mesmo sentido, quando afirma que o boicote só prejudicaria os jogos e, por inerência, os atletas que se preparam há anos para as suas “performances” desportivas. Espero que ele tenha falado por si só. Porque, fazer dos atletas assépticos praticantes de modalidades desportivas é uma ofensa, para todos aqueles que fazem do desporto uma demonstração da prática desportiva como exemplo de solidariedade e de cooperação humanista no mundo.

Talvez percebendo que muitos atletas irão manifestar o seu protesto, durante as provas, a China já prevê a possibilidade de transmissão dos Jogos em diferido, desrespeitando a vertente de fraternidade universal do acontecimento. E contra isto devemos todos protestar. Porque se a China proíbe a liberdade de expressão dos seus artistas, criadores ou simples internautas, não pode agora armar-se em consciência política da Europa e do mundo. Talvez fosse bom a União Europeia e a Organização das Nações Unidas, não se preocuparem só com o Sudão (país a quem a China vende armas que servem para massacrar o povo de Darfur), mas começarem a olhar para o Tibete, enviando ao país observadores independentes. E, já agora, exercerem pressão para que a China permita a entrada no Tibete de organizações insuspeitas como a Cruz Vermelha e a Human Rights Watch. Se a China nada tem a esconder…

(A Voz de Loulé, 15 Abril 2008)

Sem comentários: