segunda-feira, abril 13, 2015

Fotomaton & Vox



De dentro para fora, veem-se as tílias com a lagoa ao fundo. Talvez seja de tarde, pois o sol reflete sobre a copa das árvores e deixa brilhar a sombra no contorno da luz. Há uma mesa e quatro cadeiras, ou talvez três, pois o meu assento é um banco que se leva ao ombro. Sobre a mesa não deve estar já Fotomaton & Vox, a obra antiga e atual de Herberto Helder, que levei naqueles dias de sol, capa dura e sombria, lembrando terra castanha com sulcos de raiva. Provavelmente o livro está comigo, junto da câmara que fotografou o momento de abril.
[em atualização]

Sem comentários: