domingo, maio 29, 2016

Miniconto publicado no Brasil

A morte
Quando o pai dele morreu, levei-o silencioso. Andamos sem destino, mas a estranheza da morte levou-me a caminhar para a mata, uma pequena floresta de eucaliptos, onde lembro de ter disposto alguns sacos pretos com sementes.
Ali, sentia-me protegido das desgraças inapercebidas do mundo. Parando junto a um eucalipto, já muito alto e magro, o meu amigo chorou. Teríamos nove, dez anos? Não me lembro bem.
Mas sei que depois de termos olhado o rio, ali mesmo à nossa frente, ele voltou a lembrar-se de como era a vida. Só muito mais tarde compreenderia o seu regresso. A noite passada tinha dormido debaixo do mesmo teto, perto de um pai morto. A mãe mantivera-se acordada ao lado do pai morto, sem apelar aos vizinhos a dor da alma; e ele cumprira o prometido: só chorar no dia seguinte.

[publicado na revista brasileira de minicontos VEREDAS (aqui) ]

quarta-feira, setembro 16, 2015

DesGosto

Este blog Não Gosta (nem nunca gostou) do facebook! (ler aqui)

terça-feira, setembro 01, 2015

A importância da História na sociologia

A análise política também se faz de um acúmulo sociológico do pensamento contemporâneo. Por isso todo o cuidado é pouco quando falamos por exemplo da crise grega, e das suas concomitantes pragmáticas. Por exemplo, uma análise das políticas do Syriza, e em particular de Alexis Tsipras, parece requerer não só um conhecimento dos presentes contextos sociais e políticos mas também uma análise cuidadosa da história, mais ou menos demarcada no seu tempo de longa duração. É isso que nos propõe Rui Bebiano. A ler (aqui) com atenção, mesmo com o sintoma das divergências ideológicas.

A crise da crítica

Se há uma crise que me preocupa deveras, ela é sobretudo a crise da crítica. Provavelmente, é a capacidade e competência em exercer uma crítica inteligente aquela que mais sofre com o mundo arrasador da crise ideológica e política. Sem ela podemos assistir à agitprop perigosa do primeiro ministro, às manifestações imberbes da discriminação e xenofobia social sobre os processos migratórios, à devastadora mobilização do pão e circo das festas de verão pagas com as 'dívidas soberanas'. Restam, no pensamento crítico, os cidadãos que se recusam a deixar de ler, pensar e fazer umas simples contas, ou os sociólogos ou cientistas sociais, que remam contra a corrente e que muitas vezes sem remos são acusados de malucos e radicais.
A propósito do que nos entra pelos olhos dentro, ou que buscamos entender do que se esconde nos bastidores da administração política, quer seja no governo da direita austeritária, ou na Câmara socialista de Loulé obriga-nos, com toda a sinceridade, a afirmar a total concordância com o João Martins. É esse caminho, da resistência inteligente, que temos que prosseguir e perguntar-mo-nos: não há ninguém que se revolte pelo facto de a tribuna do salão nobre da Câmara de Loulé ter servido de discoteca ambulante na Noite Branca? Não há ninguém que se pergunte para que serve um IKEA a devastar a  reserva agrícola em terrenos próximos da via das portagens? Se não há ninguém, bardamerda! Então, temos que voltar à revolução.

domingo, agosto 30, 2015

Cidade lacustre de Vilamoura: milhões de destruição



A 'velha' cidade lacustre de Vilamoura tinha caído por terra, sobretudo pelo impacte ambiental de destruição das dunas, praias e mar entre as Falésias de Vilamoura e de Albufeira. Os novos donos, o Fundo norte-americano Lone Star - mais expeditos e competentes do que os antigos patrões da Catalunya Banc, que já se sabe serem uns abeclas a fazer dinheiro - mudaram a paisagem, e agora em vez do mimetismo do Dubai teremos os lagos de Vilamoura. Os argumentos são dois: o primeiro foi para satisfazer os críticos do impacte ambiental ou os cidadãos e políticos que se opuseram à destruição da interface que resta naquela área. O outro é financeiro, claro. Sempre seriam 100 milhões de euros para infraestruturas. Mas o que irão os promotores fazer? Bom, 315 mil metros quadrados de construção, 1900 unidades residenciais e uma área hoteleira com 3600 camas. Uma área quase igual à que já lá está construída e a que eu fujo sempre (ver com olhos de ver, aqui). 
Para + informações vale a pena ler o Expresso/Economia de 29 agosto 2015.

Governo sombra

Talvez a mais interessante novidade da reentré televisiva tenha sido a presença do programa "Governo Sombra", da TVI, em horário decente ao sábado à noite. Ontem, passou à meia noite e agora em direto e com espetadores ao vivo, na mesma altura do Eixo do Mal, na Sic Notícias. Ontem, ainda sem concorrência pois o Eixo ainda está de férias e com um convidado de exceção: o brasileiro de origem portuguesa, Gregório Duvivier que conhecemos do "Porta dos Fundos" da Fox. Esperamos que, tal como vaticinou Ricardo Araújo Pereira, daqui a umas semanas este excelente programa de comentário político e humor não esteja a passar às 4 da matina.

sexta-feira, agosto 21, 2015

Paraísos

Não,  as praias dos Alteirinhos e do Carvalhal já não são paraísos para ninguém.  A não ser para quem traz a vida urbana onde  viveu todo o ano para as areias da costa. Bom, de qualquer maneira os percebes e o mexilhão, que apanhei para o manjar, estavam supimpas.

domingo, agosto 16, 2015

desenvolvimento à beira mar

Em Mira há vinte e três anos as estradas florestais tinham carros de bois carregando milho. Hoje estão cheias de carros de emigrantes e de turistas espanhóis.

quarta-feira, julho 29, 2015

O IKEA a criar empregos em Loulé

A avaliar pela campanha intermitente de marketing, o IKEA já deve ter criado 15 mil empregos na sua nova instalação junto do Parque das Cidades em Loulé/Faro (ler + no «sul informação»). Razão tinha eu, quando escrevi no «barlavento» que se tratava de um case study do capitalismo global (não há outro capitalismo!). Para não vos maçar mais com análises já feitas, deixo-vos aqui o que escrevi (ler+).

domingo, julho 26, 2015

Olha, golfinhos!


A costa do Algarve era o caminho habitual para a navegação do atum, do roaz corvineiro e de espécies semelhantes. As empresas capitalistas do século XVIII instalaram-se em tudo o que era baía e praia acessível, com as companhas das almadravas atuneiras sedimentadas nas areias e  nos arraiais durante meses a fio. O aquecimento das águas e a captura excessiva de atuns obrigou-os a correr a desova noutros mares e paragens. Por ora, avistam-se os golfinhos em grupos mais ou menos numerosos, à volta dos cardumes de carapau e sardinha ou juvenis de outras espécies, com os pais a ensinarem os filhos a pescar a safra diária. Em frente da costa algarvia, na península do Ancão, a espécie tem demonstrado a sua proximidade e afetividade a cada um de nós, por estes dias mais quentes de sueste (ver+).

sexta-feira, julho 24, 2015

Edital

Alterações na lista de blogues aqui ao lado direito. Novas ou antigas leituras!

segunda-feira, abril 13, 2015

Fotomaton & Vox



De dentro para fora, veem-se as tílias com a lagoa ao fundo. Talvez seja de tarde, pois o sol reflete sobre a copa das árvores e deixa brilhar a sombra no contorno da luz. Há uma mesa e quatro cadeiras, ou talvez três, pois o meu assento é um banco que se leva ao ombro. Sobre a mesa não deve estar já Fotomaton & Vox, a obra antiga e atual de Herberto Helder, que levei naqueles dias de sol, capa dura e sombria, lembrando terra castanha com sulcos de raiva. Provavelmente o livro está comigo, junto da câmara que fotografou o momento de abril.
[em atualização]

quarta-feira, abril 01, 2015

Metoposaurus algarvensis


 

Sim, a boca dela parece uma sanita, capaz de engolir tudo, em disputa com crocodilos e outros anfíbios. A sua ossada foi descoberta aqui próximo, no concelho de Loulé (local desconhecido), num antigo lago de há alguns milhões de anos. A salamandra gigante (para os tamanhos que hoje conhecemos) vai permitir colocar o Algarve na rota da ciência paleontológica a nível mundial. Daí a designação de metoposaurus algarvensis, para a bela salamandra. Ver aqui a referência científica. E ler a notícia que dá o Observador.

sábado, março 28, 2015

Tolerância religiosa

Já há algum tempo que gostaria de ter escrito aqui o exemplo de ecumenismo, ou poderia dizer de tolerância religiosa, dado pela Câmara de Loulé ao anunciar, na sua Agenda mensal, as liturgias de confissões religiosas que não as católicas. Cumpre-se assim o dever de aceitar e divulgar, ao mesmo nível, as orientações de pendor religioso dos municípes, tal como regula a Constituição, que define o estado laico e a aceitação da diversidade religiosa. Pena que outras instâncias, a começar pela escola pública, não o façam, mantendo a disciplina de Educação Moral e Religiosa, apenas entregue à confissão católica.

quarta-feira, março 25, 2015

Herberto Helder

BICICLETA

Lá vai a bicicleta do poeta em direcção
ao símbolo, por um dia de verão
exemplar. De pulmões às costas e bico
no ar, o poeta pernalta dá à pata
nos pedais. Uma grande memória, os sinais
dos dias sobrenaturais e a história
secreta da bicicleta. O símbolo é simples.
Os êmbolos do coração ao ritmo dos pedais —
lá vai o poeta em direcção aos seus
sinais. Dá à pata
como os outros animais.

O sol é branco, as flores legítimas, o amor
confuso. A vida é para sempre tenebrosa.
Entre as rimas e o suor, aparece e des
aparece uma rosa. No dia de verão,
violenta, a fantasia esquece. Entre
o nascimento e a morte, o movimento da rosa floresce
sabiamente. E a bicicleta ultrapassa
o milagre. O poeta aperta o volante e derrapa
no instante da graça.

De pulmões às costas, a vida é para sempre
tenebrosa. A pata do poeta
mal ousa agora pedalar. No meio do ar
distrai-se a flor perdida. A vida é curta.
Puta de vida subdesenvolvida.
O bico do poeta corre os pontos cardeais.
O sol é branco, o campo plano, a morte
certa. Não há sombra de sinais.
E o poeta dá à pata como os outros animais.

Se a noite cai agora sobre a rosa passada,
e o dia de verão se recolhe
ao seu nada, e a única direcção é a própria noite
achada? De pulmões às costas, a vida
é tenebrosa. Morte é transfiguração,
pela imagem de uma rosa. E o poeta pernalta
de rosa interior dá à pata nos pedais
da confusão do amor.
Pela noite secreta dos caminhos iguais,
o poeta dá à pata como os outros animais.

Se o sul é para trás e o norte é para o lado,
é para sempre a morte.
Agarrado ao volante e pulmões às costas
como um pneu furado,
o poeta pedala o coração transfigurado.
Na memória mais antiga a direcção da morte
é a mesma do amor. E o poeta,
afinal mais mortal do que os outros animais,
dá à pata nos pedais para um verão interior.


Herberto Helder, excerto de Cinco Canções Lunares

terça-feira, março 24, 2015

Julgamento de Rafael Marques



Rafael Marques é um jornalista angolano conhecido como ativista de direitos humanos. A sua obra Diamantes de Sangue serviu para denunciar os atropelos e crimes praticados nas regiões diamantíferas do norte de Angola, no qual acusa a nomenklatura do poder angolano de participação nas afrontas cometidas. Por causa disso começa hoje a ser julgado em tribunal de Angola, correndo o risco inculcado em quem afronta os poderosos. A editora Tinta da China, chancela onde editou a sua obra disponibiliza o download gratuito como forma de apoio a este jornalista, abandonado também pelo estado português. Ler aqui. Pode assinar a petição da Aministia Internacional aqui.

segunda-feira, março 23, 2015

Alisuper: a mentira da economia

Já lá vão três anos. A CUVI, Comissão de Utentes da Via do Infante, preparava a receção ao ministro da economia. Álvaro Pereira, vinha inaugurar a loja do Alisuper ali no paraíso da elite em Vale do Lobo/Loulé. Depois das falências do grupo e do desemprego o ministro anunciava o arranque do grupo, com dinheiros privados do empresário Nogueira. Nessa tarde a nossa tática foi outra. Ao invés de desfraldar os cartazes e as palavras de ordem, e aguentar os empurrões da polícia e dos seguranças, armamo-nos em democratas para desmascarar uma falsidade da política económica do governo de direita, que mantinha as portagens na Via do Infante. 
Bem dito, bem feito!. Passaram uns anos e no sábado, o Expresso-economia lá trazia as queixas do empresário Nogueira, dono do grupo Alisuper, sem créditos para manter as lojas (a de Olhão fechou há semanas) e a queixar-se que o governo não o apoiou. Surpresa?

sábado, março 21, 2015

A ministra do regime

Ter os cofres cheios e afirmá-lo lembra o velho botas Salazar, que se engrandecia de soberba com as barras de ouro no Banco de Portugal, enquanto o povo passava fome, vivia na miséria e se iluminava de iliteracia. A ministra das finanças herdou a sobranceria ideológica e o desejo do garrote explorador do velho regime fascista. E se dúvidas houvessem bastava escutar as suas paternalistas e bíblicas palavras destinadas aos jovens conservadores da JSD: "vocês são jovens, multiplicai-vos!". É certo que a exploração capitalista precisa de braços para trabalhar. Antes nas fábricas e nos campos, agora nos call center ou na emigração. Solução? Pôr esta gente daqui pra fora.

quinta-feira, março 19, 2015

Zé Francisco, músico do mar do Algarve

O Zé já não me surpreende. Ao ouvir a Rua Fm, no caso o programa Socializar Por Aí (do curso de Educação Social), dei com o 1º álbum do Zé Francisco, velho amigo das lides musicais (Borda d'Água, Entre Aspas, Mare Nostrum, and so on), na sua velha veia de cantautor. O Zé escreve com a alma de pescador da borda dágua, cheio da maresia de Santa Luzia. Para além disso é um grande músico, que herdou as sabedorias dos lídimos instrumentistas do eixo entre Cabanas de Tavira e Fuzeta. O Zeca sabia-o bem.

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Esquerda radical na Europa

Dá-me alguma satisfação verificar a adjetivação, pouco habitual, de "esquerda radical", para designar um governo da União Europeia. Pois é, a Grécia é governada por um governo de coligação (como é habitual nos países mais desenvolvidos da Europa - como alíás aqueles que a construíram como a conhecemos) que inclui um partido de direita nacionalista. Mas a marca fundamental, o padrão mediático, são dados pelo dito esquerdismo radical, que hoje assinala o caminho a seguir em Portugal, e na Europa, claro (ler aqui).