terça-feira, dezembro 30, 2014

Todos temos a nossa Lolita, diria Nabokov

(...) A minha Lolita tinha uma maneira muito sua de levantar o joelho esquerdo dobrado, no amplo e elástico início do ciclo do servir, criando, e deixando pairar ao sol durante um segundo, uma teia vital de equilíbrio entre as pontas dos pés, a prístina axila, o braço bronzeado e a raqueta lançada muito para trás, um segundo em que sorria, de dentes cintilantes, ao globo suspenso tão alto, no zénite do potente e gracioso cosmos que ela criara com o objetivo expresso de lhe cair em cima com o estalido vibrante do seu chicote dourado. (...)
Nunca se escreveu melhor sobre o ato de servir a bola de ténis. É desta beleza de imagens simbólicas que se faz a grande literatura. E é por isso que eu decidi, por estes dias, só ler os clássicos (para além de coisas menores, entre os lençóis à espera do sono). O Adeus às Armas, do Hemingway, depois de esperar algum tempo na cabeceira, foi-se. Por ora termino Lolita, do Nabokov, um provocador inteligente, do qual se percebe ser o autor da citação acima.

2 comentários:

josé neves disse...

Olá amigo Helder, há qunto tempo não vestimos a vista com a sua sempre cara e amiga figura de gente que vale a pena?
Estava carregando um video no you-tub e, de repente me veio à memória que fez já sete anos que o meu amigo abriu para mim, que mal sabia abrrir o computador, o "APCGORJEIOS" que ainda sobrevive.
Há tempos, longos, vinha aqui fazer visita e o "CONSENSO" parecia moribundo, felizmente constato agora que está vivo e recomenda-se; os meus parabens.
E como é época de Natal, acompanhado do Nabokov, Hemingwway e sobretudo com a esposa e filhos aqui deixo sinceros votos de um 2015 diferente que cunpra as nossas esperanças.
orjeios tub lhe pomos a vista

Helder Raimundo disse...

Olá Adolfo:
É verdade que os caminhos divergem, outras vezes convergem, como em tudo na vida. De facto estive nos Gorjões, a gorjear no lançamento do livro do Adão, 'Ouro e Vinho', e não nos encontramos. Só vi o Venceslau. Numa próxima apertaremos as mãos.
Abraço amigo do Helder.