segunda-feira, maio 23, 2011

Um palco de encenações

A 'consciência de classe' está associada ao conhecimento que o operariado tem da sua condição de explorado, bem como da visão sobre o seu papel histórico no derrube da burguesia. Esta é uma das ideias fundamentais da doutrina marxista. Mas, aqui, do que vos queria falar é da consciência social que preside às declarações noutros campos, particularmente nas classes camponesas que, no Algarve, desempenharam um papel activo nas lutas sociais do Antigo Regime, particularmente nas lutas liberais. A propósito, no sábado passado, quando distribuía apelos à participação na Marcha de protesto contra as portagens na Via do Infante (cartaz ali no vosso lado direito), uma antiga camponesa de Alte abordou-me para desabafar. Disse ela:
Olhe, isto sim, eu apoio. Agora esta gente da 'política', que nos vem pedir o voto! Uma rapariga lá de Alte, acho que se chama Jamila Madeira, toda sorridente a falar comigo. Olha, olha, ela que lá na aldeia faz que não me conhece, nem me dirige a palavra.
Esta história mostra como os partidos do poder montam a sua encenação, assumindo papéis de actor que não se conjugam com as realidades sociais. Vale a pena lembrar a comitiva de paquistaneses e indianos, disfarçados de voluntários, que o PS arregimentou para adocicar de multiculturalismo a sua campanha.

Sem comentários: