terça-feira, dezembro 23, 2008

Ainda a poesia

O amigo António envia-me um poema lindo da Luiza Neto Jorge, como lembrança de Natal:


Nas cidades do sul
há violência e há excesso,
de semente.
Estalam os rios e foge a água.
O corpo, encortiçado, racha.

Lendas vêm de há séculos assoreando
as margens.
E quando à boca de um poço vamos
provar o nosso eco,
águas puras irrompem,
noutra língua.

Luiza Neto Jorge
Silves 83
ALGARVE todo o mar (Colectânea)


[A bela imagem é dele e tudo pode ser visto aqui]


Sem comentários: