quinta-feira, maio 15, 2008

Treinador de Bancada #8

O Capitão-mor da armada portuguesa

Estava eu descansado, com a crónica já escrita do “Apito Dourado”, quando senão param todas as máquinas. Vinha aí a conferência de imprensa do seleccionador de futebol da equipa das quinas. E logo às 20 horas, horário de abertura de todos os espaços informativos das televisões públicas e privadas. É claro que ninguém ficou de fora, estavam lá todos, julgo eu, que estava em trânsito e limitei-me ao rádio do carro. Mas, pelo que vi depois, ninguém deixou de apresentar em directo e ao vivo, da terra do presidente da Associação Nacional de Municípios, as sábias palavras do presidente da Federação Portuguesa de Futebol e do seu escolhido. A propósito, quem tem olhos na cara e ouvidos bem abertos já percebeu que não reina confiança e esperança na voz embargada e triste do presidente federativo. A ideia de Scolari como salvador da pátria já foi chão que deu uvas. Aliás, não deu uvas nenhumas, como se sabe.

Mas o que levou a tanta emoção nos media nacionais, para que todos estivessem em directo de Viseu? Bem, a resposta é simples: ouvir a lista de 23 jogadores da equipa de Portugal que, na Áustria/Suíça, irão disputar o Europeu de Futebol. Como isto não tem qualquer novidade, os jornalistas fazem da vulgaridade do acto a descoberta do Brasil. E perguntam, rápido e certeiro, pela ordem do sorteio de perguntas na sala: por que razão o Maniche, que foi o melhor marcador das duas campanhas anteriores, não estará nos convocados; para que serve o Helder Postiga, que praticamente não jogou esta época; qual o papel do Ronaldo, se afinal ele não tem a equipa do Manchester em campo, a seu lado; e, finalmente, por que raio continua o Ricardo a ser titular da baliza? Como se percebe, um verdadeiro acto de estado, a conferência de imprensa da Federação Portuguesa de Futebol.

Bom, mas sejamos justos. Lá que houve novidade, houve mesmo. Ficamos a saber que é agora que a disciplina militar vai ser imposta. E, para isso, a equipa não vai ter um, nem dois capitães, mas sim cinco. Ouviram? Cinco! Scolari, grande estudioso da história do Brasil (e, que saibamos, andou a ler recentemente a «Carta a El-Rei D. Manuel sobre o achamento do Brasil», de Pêro Vaz de Caminha), lembrou-se de capitanear a armada com os émulos dos descobridores portugueses. Vai daí, foi só fazer a lista: Gil Eanes, Bartolomeu Dias, Vasco da Gama, Fernão de Magalhães…Só faltava um, para ele o mais importante, aquele que se diz ter descoberto o Brasil. Uma terra que já lá estava, há muito, povoado de índios “pardos, maneira de avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andavam nus, sem nenhuma cobertura, nem estimam nenhuma coisa cobrir nem mostrar suas vergonhas”. Foi esta inspiração, plasmada na Carta, que levou Scolari a revelar apenas o nome do capitão-mor da selecção de futebol, de seu nome Ricardo Carvalho. Parece que o próprio nem sabe, ele que lá anda nos relvados do “velho império onde o sol nunca se punha”. Um capitão que, provavelmente, não o quer ser, pois sabe que Colunas não nascem todos os dias.

Bem vistas as coisas, da selecção entenda-se, e olhando as bandeiras chinesas, já muito esfarrapadas, pendentes de janelas e mastros, percebe-se o que nos espera: um movimento de adesão patriótica em torno da equipa de todos nós, uma coesão de valores nacionais entre homens e mulheres, velhos e novos, e ricos e pobres. Só a nossa selecção de futebol poderia conseguir tal feito. Eu até me oferecia para escrever a carta do achamento da Áustria e da Suiça, mas acho melhor não embarcar.

Vou ali jogar à bola com os meus filhos e já volto…

(A Voz de Loulé, 15 Maio 2008)

Sem comentários: