sábado, fevereiro 02, 2008

Treinador de Bancada #1

A partir de 1 de Fevereiro, e com a regularidade do quinzenário,
mantenho, na secção de Desporto, uma coluna intitulada
Treinador de Bancada
.
Deixo abaixo a minha primeira contribuição:

A Voz de Loulé, 1 Fevereiro 2008
(Clicar na imagem para expandir)
*
Para os leitores que preferem ler em post e não em formato jpeg:


A MALDIÇÃO DO LAGOA


Iniciámos, neste número, uma coluna sobre desporto. Qualquer que seja esse entendimento antropológico do dito, pois se Miguel Sousa Tavares, Ricardo Araújo Pereira, Eduardo Barroso, Rui Santos, e outros, têm páginas à sua disposição, porque não nós? Treinadores de bancada há muitos e eu pretendo representá-los, sobretudo aqueles que estão mesmo no banco, fumando o cigarro da dissonância cognitiva, ou pontapeando garrafas de água sem marca, para os relvados. Por outro lado, já repararam que estas duas páginas estavam entregues ao amigo António Montes? Sozinho! E há muito tempo. Começava a ser discriminatório, ele estar aqui sem qualquer contraditório. Por isso já sabem, a partir de hoje, e todas as quinzenas, treinarei alguma coisa. E não pensem que só de futebol vive o nosso espanto.
A propósito disso, é melhor começar a primeira crónica por falar de futebol, não? O desporto-rei, pois claro. No último fim-de-semana jogou-se Taça. Com letra grande, pois. Então não é habitual, os jornais escreverem “aconteceu Taça”, quando o Salirense ganha ao Freixo de Espada à Cinta?
A Taça de Portugal é uma espécie de rebuçadinho dado aos pobres do futebol e foi inventada para isso mesmo. Por exemplo, para o Grupo Desportivo de Lagoa pensar que chega aos calcanhares do Sporting Club de Portugal. Na verdade, a Taça só serve para legitimar os privilégios dos grandes, que só existem se houver pobres, percebem onde quero chegar!? Foi o que se viu, na derradeira jornada. O Lagoa apanhou quatro bolas a zero, sem espinha, e deu ao Sporting a sua primeira vitória este ano. Portanto, o Lagoa cumpriu o seu papel de vassalo na Taça: deu ao adversário a possibilidade de se afirmar entre os grandes e continuar na Taça até sucumbir. Com outro dos grandes, claro. Mas os lagoenses, que foram em peso até Lisboa (parece que pararam no caminho para merendar, escondendo-se dos media que os esperavam de microfone aberto), não têm culpa nenhuma disso. Eles foram apenas para se divertir. Sair um sábado de manhã, com sandocas e cerveja a bordo, é o melhor que se pode ter depois de uma semana de trabalho no turismo. Porque a mística do futebol é feita disto. De claques que levam o nome da terra a todo o lado. Regionalismo chamar-lhe-ia António Ferro.
Por falar em mística, ao Lagoa é que eu nunca perdoarei. Melhor, ao guarda-redes do Lagoa. Explico. Jogava eu no Silves Futebol Clube, quando defrontámos o Lagoa no seu campo. Lembro-me bem que o campo (pelado, claro), estava mais enlameado que um chiqueiro, as botas enterravam-se até aos artelhos (bela palavra) e o frio de Janeiro era de rachar. Eu jogava a extremo-esquerdo (acho que, agora, o Luís Freitas Lobo designa-os como alas esquerdos), pois apesar de ser dextro, só eu chutava bem à esquerda (esta mania esquerdista), dizia o treinador. Sei que, nessa manhã, o Henrique me passou a bola no enfiamento da linha de meio campo para a frente. Dei-lhe um toque, só para a aconchegar no mau terreno de jogo, e marimbei-me para a transição defesa-ataque. O que fiz foi aplicar-lhe toda a força com a parte de dentro do pé direito, com o maior sentido de efeito possível (o contrário da trivela, percebem, que parece que inventaram agora). Como eu esperava, a bola descreveu um arco em meia-lua e se parecia sair pela linha de fundo, dirigiu-se mesmo para o ângulo superior esquerdo do Marreiros (não sei se este era o nome dele, mas para a história tanto faz). Eu não me desloquei mais, do terreno encharcado. Nem podia, a olhar enternecido para aquele arco de volta e meia, que levava a bola para golo. Surpresa, meus amigos. O Marreiros, não sei como, apesar de estar pegado ao chão, voou até à bola e agarrou-a, como se fosse um docinho de côco. Nunca vi defesa assim. Talvez mesmo só do Damas, que por acaso jogou no Sporting, o tal clube que deu quatro ao Lagoa, na passada jornada. Mas nesta crónica eu queria era falar do Marreiros, que me roubou um golo, e que se jogasse agora não deixaria o Moutinho (que nasceu na mesma cidade que eu) fazer-lhe aquele chapéu, como fez ao coitado do Botelho.
Moral da história: a história nunca se repete. Sobretudo na Taça.

Sem comentários: